terça-feira, 20 de abril de 2010

RELIGIÃO E CULTURA

Gravura retratando a primeira missa em São Paulo de Piratininga.it
“A questão da conexão entre religião e cultura não se restringiu à época das missões clássicas cuja história faz parte da mesma história da expansão do mundo ocidental europeu, mas se repete neste fim de século...”.
Antônio Gouveia Mendonça


A vida social pode ser vista especialmente quando se percebe melhor a questão crucial que a envolve a da relação complexa e delicada entre o indivíduo, a cultura, a religião e a sociedade. Essa questão preocupou os estudiosos do passado e do presente e tantos incontáveis pensadores de todos os tempos. Entretanto, não é nosso intuito debater aqui neste trabalho acerca das relações do sujeito, mas enfatizar a importância religião na cultura e na sociedade, bem como discorrer sobre o processo sincrético por que passou a sociedade brasileira formando assim sua cultura.
É impossível ignorar o papel da religiosidade do povo brasileiro na cultura e da cultura na religiosidade. Ademais, a religião é como um espelho que mostra as vertentes da formação cultural de qualquer povo. E para explicar este fenômeno, tem-se o elemento determinante que é o sincretismo religioso. Por outro lado, nas últimas décadas, com o crescimento dos que se declaram não católicos, com a verificação da dupla pertença religiosa de muitos fiéis e com a constatação, por parte de alguns estudiosos, do chamado “trânsito religioso”, o sincretismo e cultura voltou a ser um tema discutido, no âmbito acadêmico e também no círculo dos que vivem a sua religiosidade na participação ativa seja em qualquer religião ou seguimento.
O presente trabalho parte do pressuposto de que a religião e a cultura sempre andaram juntas, destacando que os grupos, sociedades tribais e os portugueses contribuíram para a formação da cultura, com destaque para o grupo de africanos oriundos da tradição nagô-iorubá e os índios de diversas tribos. Assim este trabalho destaca-se com uma análise da religiosidade e da cultura vivida no Brasil desde o tempo de sua colonização.
Ademais, vive-se, atualmente, discutindo nos meios intelectuais temas religiosos em interface com outras ciências humanas e sociais, e até mesmo em disciplinas biológicas. Haja vista a problemática mundial e atual da subjetividade e da inter subjetividade do ser humano, bem como a interferência e a influência da religião em todas as esferas da sociedade.
Embora o referencial teórico seja histórico dissertativo, propõe-se, entretanto um estudo relevante da identidade nacional tendo como traço marcante desta, a religião ou o ideário religioso construído a partir do sincretismo religioso e suas implicações na cultura brasileira, ou na formação do brasileiro.
A religião como fenômeno humano na história, faz parte da vida social, e, nesta perspectiva influencia os vários setores da sociedade, da cultura e do cotidiano das pessoas. Aliás, a sociedade deve ser entendida como “lócus” de expressão da cultura e da religiosidade.
A religião possui um significado social singular, sua força movimenta os mais diversos problemas sociais e pessoais do planeta. Sem questionar a subjetividade da cada crença, este trabalho apresenta um estudo no qual mostra o Brasil como um País com uma das maiores concentrações de sincretismo religioso do mundo, e que a formação cultural passou por esta via. Nesta perspectiva, é um dado que pode surpreender, já que a história sempre priorizou a formação cultural católica do nosso povo por ser esta o meio de colonização desta terra.
O ambiente cultural se acostumou à idéia de que não tem muita coisa relevante na religião para acrescentar à realidade. Essa visão passou a ser a ótica especialmente da maioria dos intelectuais de diversos campos do saber acadêmico, sem contar com um grande número dos que estudam a cultura sem fazer uma interface com os aspectos históricos religiosos.
Geralmente a temática religiosa é abordada com unilateralidades e pré-conceitos que impedem um verdadeiro encontro entre culturas e saberes antropológicos adquiridos por diversos grupos humanos. O mundo das religiões é vasto, complexo e fascinante. É campo sem fronteiras, porque se alastra pela geografia do planeta com matizes multicor no grande tecido que é a experiência humana com a cultura e a transcendência.
Atualmente o estudioso, sociólogo José Bittencourt Filho, desenvolveu bem o tema: “Matriz Religiosa Brasileira”, em sua Tese de Doutorado (publicada em 2004), que ver a religião como formadora da cultura brasileira, especialmente concernente ao aspecto sincrético, embora defenda o processo aculturativo forçado da matriz portuguesa.
O mundo das religiões é vasto, complexo e fascinante. É campo sem fronteiras, porque se alastra pela geografia do planeta com matizes multicor no grande tecido que é a experiência humana com a transcendência. Refletir a relação entre religião e cultura talvez não nos ofereça tantas repostas quanto possamos esperar, contudo, abre-nos paradigmas diferentes, contextos desconhecidos e nos incita ao diálogo, ao respeito à diversidade e à busca da unidade fundamental entre os seres humanos.
Neste trabalho, estabelece-se uma interface entre cultura e religião, pois cultura e religião são elementos densos e tensos que perdem sua novidade absoluta na redução lógica que compara ou equipara seus elementos. A epistemologia positivista simplificou e estabeleceu critério único para compreender o fenômeno e assim esvaziando-se o desenvolvimento da temática, o que reduziu nos últimos anos apenas à antropologia, ou quando muito à sociologia. Portanto, a tarefa atual é buscar os engates entre essas duas realidades: a Cultura e o fenômeno religioso.
Hoje, é possível encontrar, sobretudo no espectro dos fenômenos, frequentemente alguns “especialistas” em questões religiosas que interpretam os importantes eventos religiosos pelo mundo afora, em interface com a cultura, ou como formação de cultura. Tal fenômeno religioso sincrético tem sua parcela especialmente no Brasil. É via de regra o formador da cultura brasileira.
O debate nesta temática “religião e cultura”, partiu em tempos atrás nas Universidades Alemãs do final do século XIX, Francesas do início do século XX, e, por fim, no Brasil dos anos 50, especificamente após a criação da USP, quando o professor Roger Bastide interessou pela religião em interface com a cultura e outras ciências humanas e sociais ganhando destaque mundial. Por outro lado, a muito pode-se testemunhar nas sociedades modernas certo interesse com estes pressupostos de pesquisa, ou pelo menos de alguns assuntos religiosos. Trata-se de um momento muito importante no Brasil, com o crescimento do sentimento aculturativo religioso, a despeito das multifacetadas manifestações religiosas. Tal momento despertou um espanto genuíno ou até uma verdadeira surpresa para os partidários da secularização, em que teóricos das diversas áreas das ciências humanas que estão debruçando na religião em busca de compreender sua relação com a cultura e a sociedade.

BIBLIOGRAFIA ESPECIALIZADA:
AZZI, R. A cristandade colonial: um projeto autoritário. São Paulo: Paulinas, 1987 (História do Pensamento Católico no Brasil. Vol. I).
____. O altar unido ao trono: um projeto conservador. São Paulo: Paulinas, 1992 (História do Pensamento Católico no Brasil. Vol. III).
____. A vida religiosa no Brasil. São Paulo: Paulinas, 1993.
ANTONIAZZI, Alberto, et alli. Nem anjos nem demônios: Interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis: Vozes, 1994.
AZEVEDO, Israel Belo de. As cruzadas inacabadas: introdução à história da Igreja na América Latina. Rio de Janeiro: Gêmeos, 1980.
BASTIDE, Roger. As Religiões no Brasil: Uma Contribuição a uma Sociologia das Interpretações de Civilizações. São Paulo: Pioneira, 1989.

________________. As Religiões Africanas no Brasil. São Paulo: Pioneira, 1971.

_______________. Lê Sacré Sauvage et autres essais. Paris: Payot, 1975.

_______________. Estudos Afro-Brasileiros. São Paulo: Editora Perspectiva, 1973.

_______________. Sociologia do Folclore Brasileiro. São Paulo: Anhembi editora, 1959.

_______________. Candomblé da Bahia – Rito Nagô. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

BEOZZO, J. O. A Igreja do Brasil. Petrópolis: Vozes, 1994.
BETTENSON, Henry. Documentos da igreja cristã. São Paulo: ASTE, 2002.
BERGER, Peter L. O Dossel Sagrado. São Paulo: Paulinas, 1985.

_______________. Um rumor de anjos, 1ª edição, Petrópolis, Vozes, 1973

_______________; LUCKMAN, Thomas. A Construção Social da Realidade. 22. ed. Petrópolis. Vozes. 2002

BITTENCOURT FILHO, José. Matriz Religiosa Brasileira: religiosidade e mudança social. Petrópolis: Vozes; Rio de Janeiro: Koinonia, 2003.

CAMPOS, Leonildo Silveira. Teatro, Templo e Mercado: Uma análise da organização, rituais, marketing e eficácia comunicativa de um empreendimento neopentecostal. Petrópolis: Vozes; S. Paulo: Simpósio Editora e Universidade Metodista, 1997.
CLOUSE, Robert G. PIERARD, Richard V e YAMAUCHI, Edwin M. Dois reinos: igreja e cultura através dos séculos. São Paulo: Cultura Cristã, 2005.
DEIROS, Pablo Alberto. Historia del cristianismo en América Latina. Buenos Aires, FTL, 1992.
FREIRE, Gilberto. Casa Grande e Senzala: Formação da família brasileira sob o regime patriarcal. 20ª ed.. São Paulo: Círculo do Livro, 1980.

_______________. Ordem e Progresso. Rio de Janeiro: José Olímpio Editora, 1959.

_______________. Sobrados e Mocambos. Rio de Janeiro: Ed. José Olimpio, 1954.

_______________. Interpretação do Brasil. Rio de Janeiro: Ed. José Olimpio, 1947.

_______________. O Mundo que o Português Criou. Rio de Janeiro: Ed. José Olimpio, 1940.

_______________. Região e Tradição. Rio de Janeiro: Ed. José Olímpio, 1941.

LEONARD, Emilie G. O protestantismo brasileiro. 3ª edição. São Paulo: ASTE, 2002.
___________ O iluminismo num protestantismo de constituição recente. São Bernardo do Campo, Programa Ecumênico de Pós-Graduação em Ciências da Religião, 1988.
KLEIN, Carlos Jeremias. Curso de história da igreja. São Paulo: Fonte Editorial, 2007.
HOORNAERT, Eduardo. Formação do Catolicismo Brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1974.
____. O cristianismo moreno no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1991.
____. História da Igreja no Brasil: ensaio de interpretação a partir do povo. Petrópolis: Vozes, 1977.
GONZALES, Justo L. História ilustrada do cristianismo. (10 vol.) São Paulo: Vida Nova, s/d.
MARIANO, Ricardo. Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. 2ª edição. São Paulo: Loyola, 2005.
MENDONÇA, A. G.; VELASQUES, P. Introdução ao protestantismo no Brasil. São Paulo: Loyola, 1990.
MOTTA, P. A. F. A crítica marxiana da religião. In: Confluências e divergências da teoria sociológica da religião em Émile Durkheim, Karl Marx e Max Weber. Juiz de Fora, 1995. 43 f. Monografia (Disciplina Teorias Sociológicas da Religião) - Mestrado em Ciência da Religião, Instituto de Ciências Humanas e de Letras, Universidade Federal de Juiz de Fora.

NEGRÃO, Lísias Nogueira. Um Movimento Messiânico Urbano: messianismo e mudança social no Brasil. Tese para doutoramento apresentada à FFLCH-USP em 1972.
______________________. Entre a Cruz e a Encruzilhada. São Paulo: Edusp, 1996.
NICHOLS, Robert Hastings. História da igreja cristã. São Paulo: Cultura Cristã, 2004.
PEREIRA, João Batista Borges. Fenômenos da Aculturação Religiosa, in: Revista de Antropologia-USP/26. São Paulo: EdiUSP, 1983.

_________________________. Princípios da Colonização Européia, in: Revista USP/53. São Paulo: EdiUSP, 2002.

_________________________. Os Imigrantes na Construção Histórica da Pluralidade Étnica Brasileira, in: Revista USP/46. São Paulo: EdiUSP, 2000.

PERROY, Édouard e outros. .In: CROUZET, Maurice (org). História Geral das Civilizações. Tomo 3, volume 2. Tradução por J. Guinsburg e Vítor Ramos. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1965.
PIERUCCI, Antonio Flávio & PRANDI, Reginaldo. Religião e Ruptura na Obra de Procópio Camargo. Novos Estudos – CBRAP, nº. 17, 1987.

__________________________________________. A realidade social das religiões no Brasil. São Paulo, Hucitec, 1996.

PIERUCCI, Antonio Flavio., “Religião e Liberdade, Religiões e Liberdades”. In: PIERUCCI, Antonio F. & PRANDI, Reginaldo. A Realidade Social das Religiões no Brasil. São Paulo, Hucitec, 1996.

______________________. Secularização em Max Weber (pg. 169-714). In: Desencantamento do Mundo: Os passos do conceito em Max Weber. Tese de Livre Docência (mimeo), 2001.

_______________________. Reencantamento e dessecularização: a propósito do autoengano em sociologia da religião. Novos Estudos Cebrap, 49, nov., 1997.

RODRIGUES, Raimundo Nina. Os africanos no Brasil. São Paulo: Comp. Editora Nacional, 1945.

________________________. As Coletividades Anormais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1939.

________________________. L Animisme Fétichiste dês Negres de Bahia. Paris: PUF, 1890.

ROMERO, Silvio. Contos Populares no Brasil. Rio de Janeiro: Ed, José Olímpio, 1954.


RIBEIRO, Boanerges. Protestantismo e cultura brasileira. São Paulo: Casa Editora Presbiteriana, 1981.
VIERA, David Gueiros. O Protestantismo, a Maçonaria e a Questão Religiosa no Brasil. Brasília: Editora UnB, 1980.

Um comentário:

  1. A Paz de Cristo, conhecer seu blog alegrou meu coração. Suas mensagens são edificantes para o Corpo de Cristo, e um bálsamo para todos que acessam esse espaço abençoado.
    Como prova do meu amor cristão deixo uma lembrancinha que fiz, espero que goste do acróstico:

    C ultivar uma vida de oração.
    R evigorar-se pela leitura diária da Palavra.
    E star sempre disposto a obedecer a Deus.
    S er uma testemunha fiel no viver e no falar.
    C onsagrar a Deus seu corpo, tempo e talentos.
    E sperar de Deus a orientação para a vida.
    R evestir-se do poder do Espírito Santo.

    Nós precisamos CRESCER na Graça e no conhecimento do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
    A propósito, caso ainda não esteja seguindo o meu blog, deixo o convite.
    http://frutodoespirito9.blogspot.com/

    Em Cristo,

    ***Lucy***

    P.S. Convido a visitar o blog do irmão J.C. repleto de mensagens abençoadoras; algumas polêmicas, porém ricas de entendimento.

    Acesse:
    http://discipulodecristo7.blogspot.com/

    ResponderExcluir